Web Radio Jesus Cristo Gospel: Novo Ministro da Saúde fala de fé e diz que culpado da Dengue é o mosquito

terça-feira, 17 de maio de 2016

Novo Ministro da Saúde fala de fé e diz que culpado da Dengue é o mosquito


Mesmo com a troca de poder no Palácio do Planalto, não vai faltar no Ministério da Saúde um titular adepto a gafes. Em sua primeira entrevista coletiva, o ministro Ricardo Barros disse que o mosquito Aedes aegypti é "indisciplinado" e que “a fé move montanhas”, em referência à pílula do câncer.

Deputado licenciado do PP e engenheiro civil, Barros é o primeiro ministro da Saúde que não é médico desde 2002.

"Pessoalmente, acho que na pior das hipóteses é efeito placebo. Dentro dessa visão, se ela não tem efetividade, mas se as pessoas acreditam que tem, a fé move montanhas", afirmou Barros sobre a fosfoetanolamina, nome da substância conhecida como “pílula do câncer”.

Apesar de não ter passado por testes clínicos, o uso da substância foi liberada pelo Congresso e sancionada pela presidente afastada, Dilma Rousseff, na Lei 13.269. O Supremo Tribunal Federal (STF) julga na próxima quinta-feira ação da Associação Médica Brasileira (AMB) contra a lei.

Antes da troca de comando, o Ministério da Saúde havia recomendado à Casa Civil que o projeto fosse vetado. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) também é contrária à liberação.

Mosquito indisciplinado

Sobre o mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya, Barros afirmou que a falta de disciplina do inseto dificulta o controle da doença. "Se o mosquito se comprometesse a picar só quem mora na casa era fácil. Mas infelizmente ele não é disciplinado", afirmou.

O novo ministro defendeu punições para quem resistir à entrada de agentes públicos para inspeção em casas. “A cultura do brasileiro é essa. Ele tem que ser onerado”, justificou.

Apesar de reconhecer a necessidade de ajuste nas contas da pasta, Barros disse ainda que não tem expectativa de aumento da arrecadação, em referência a propostas como uma nova CPMF, defendida por gestores anteriores.

Nenhum comentário:

Postar um comentário