Web Radio Jesus Cristo Gospel: As Noticias da Hora

terça-feira, 28 de março de 2017

As Noticias da Hora

Cerca de 400 mil iraquianos estão enfrentando escassez de alimentos, enquanto estão presos na parte controlada pelo Estado Islâmico em Mossul, em meio a combates. As informações foram confirmadas pela agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), nesta semana.
“O pior ainda está por vir, se eu puder colocar dessa maneira. Porque 400.000 pessoas estão presas na Cidade Velha nesta situação de pânico e penúria”, disse Bruno Geddo, Alto Comissário da ONU para Refugiados ACNUR) no Iraque.
A maioria dos civis evitou sair com medo dos atiradores furtivos e minas terrestres do Estado Islâmico, mas cerca de 157 mil chegaram a um centro de acolhimento para deslocados internos no mês passado.
A luta se tornou mais focada na Cidade Velha na semana passada, mas os militantes do Estado islâmico ainda controlam cerca de 40% do oeste de Mossul. Estima-se que a luta para retomar o domínio de Mosul das mãos do Estado Islâmico poderia levar semanas, de acordo com a SRNNews.com.
Por enquanto, civis presos na Cidade Velha estão enfrentando escassez de alimentos, combustível e eletricidade.
“As pessoas começaram a queimar móveis, roupas velhas, plástico, qualquer coisa para se aquecer à noite, porque ainda está chovendo muito e as temperaturas caem significativamente nestes horários”, disse Geddo.
“Quanto mais tempo você fica sem comida, mais você fica em pânico e mais você quer fugir. Ao mesmo tempo, a saída está aumentando porque as forças de segurança estão avançando e, portanto, mais pessoas estão em posição de fugir onde o risco é provavelmente mais atenuado”, acrescentou Geddo

 























igrejapermanecemfirmes na República do Congo



Dr. William Leslie acabou morrendo nos EUA, sem saber que seu trabalho trabalho missionário, iniciado em 1912, tem frutificado até os dias de hoje, na República do Congo.
Em 1912, o médico e missionário Dr. William Leslie foi viver e ministrar a povos tribais em um lugar remoto da República Democrática do Congo. Depois de 17 anos ele 


retornou para os EUA, muito desanimado, pois acreditava que não tinha conseguido cumprir seus objetivos no país africano e acabou morrendo nove anos depois de seu retorno

Mas em 2010, uma equipe do Ministério ‘Tom Cox World’, liderada por Eric Ramsey, fez uma descoberta chocante e sensacional. Eles encontraram diversas igrejas escondidas como diamantes na densa selva, ao longo do rio Kwilu de Vanga, onde o Dr. Leslie esteve trabalhando.Eles encontraram uma igreja em cada uma das oito aldeias que visitaram espalhadas ao longo de 54 quilômetros. Ramsey e sua equipe até encontraram em uma das aldeias, um templo construído com rochas, na qual cabem 1000 pessoas (sentadas). Ele soube que já na década de 1980, esta igreja ficou tão lotada – com pessoas viajando quilômetros a pé para participar dos cultos – que se iniciou um movimento de plantação de igrejas nas aldeias vizinhas.
O missionário destacou que ainda não há nenhuma Bíblia traduzida para o dialeto local e que os cristãos da região acabaram usando um exemplar da língua francesa para evangelizar a população.
“Não há nenhuma Bíblia na língua Yansi”, diz Ramsey. “Eles usaram uma Bíblia francesa, então aqueles que ensinavam tinham que ser fluentes em francês”.
Aparentemente, Dr. Leslie teria cruzado o rio de Kwilu uma vez por ano e passou um mês viajando por dentro da selva, acompanhando por seus assistentes.
“Ele ensinava a Bíblia… ensinava as crianças das tribos a ler e escrever, falava sobre a importância da educação e contava histórias da Bíblia”, observou Ramsey. Dr. Leslie começou o primeiro sistema educacional organizado nessas aldeias, segundo informou o líder da equipe do Ministério ‘Tom Cox World’.
Ramsey teve que se esforçar bastante para descobrir a identidade de Leslie. “O povo tribal só o conhecia por um nome e eu não sabia se era um nome ou sobrenome. Eles sabiam que ele era um Batista e ele estava morando na região cidade há anos”.
Quando Ramsey voltou para casa, ele fez alguma investigação adicional e descobriu que o Dr. Leslie estava afiliado à União Americana Batista Missionária. A organização foi fundada em 1814 por Adoniram Judson, que liderou um trabalho pioneiro na antiga Birmânia (Mianmar).
Dr. William Leslie faleceu em 1938, sem saber que diversas igrejas acabaram sendo implantadas como resultado 
de seu trabalho na República do Congo. (Imagem: God Reports)
Nascido em Ontário, Canadá, William H. Leslie seguiu sua profissão de farmacêutico até se converter ao Evangelho em 1888. Mudou-se para a área de Chicago, onde Deus começou tocar seu coração com o desejo transformar-se em um médico missionário.
Dr. Leslie iniciou seus trabalhos no Congo em 1893, na região de Banza-Manteke. Dois anos mais tarde, ele descobriu que estava com uma doença grave. Uma jovem missionária chamada Clara Hill cuidou do missionário até ele se recuperar. A amizade de ambos acabou se transformado em amor e resultou em casamento, celebrado ​​em 1896.
Em 1905, William e Clara iniciaram uma obra missionária na vila de Cuilo, Angola, onde sobreviveram a furacões, búfalos, exércitos de formigas vermelhas e tiveram seus filhos.
Sete anos mais tarde eles voltaram ao Congo, próximo ao rio Kwilu (região de Vanga) para montar uma nova base missionária, localizada em uma área de planalto. Algumas das aldeias ao redor ainda praticavam canibalismo naquela época.
Eles passaram 17 anos em Vanga, mas o fim de seu trabalho aconteceu de forma decepcionante para o médico.
“Dr. Leslie teve um desentendimento com alguns dos líderes tribais e foi ‘convidado a se retirar da região”, contou Ramsey. “Eles se reconciliaram mais tarde; houve pedidos de desculpas e perdão, mas a história não terminou como Leslie gostaria”.
“Seu objetivo era difundir o cristianismo. Ele se sentiu como se estivesse lá por 17 anos, sem ver de fato os frutos de trabalho que desenvolveu. O que ele acabou não descobrindo é que o legado que ele deixou continua firme até, é enorme”.

Doador anônimo paga 4 milhões de dólares e livra igreja de hipoteca nos EUA

Uma igreja batista centenária do condado de Delaware, Pensilvânia (EUA), tem mais um motivo de gratidão a Deus, depois que um doador anônimo liquidou completamente a sua hipoteca de US$ 4 milhões (dívida gerada por um empréstimo, na qual um imóvel é dado como garantia).
Imagem redimensionadaDe acordo com a emissora Fox 29, a Primeira Igreja Batista Africana em Sharon Hill está na comunidade desde 1903. A congregação de marco histórico cresceu - em números, bem como no tamanho do edifício físico - ao longo do século passado, mas recentemente a igreja recebeu uma de suas maiores bênçãos.

"Recebemos um telefonema do 'Citizens Bank', que dizia: 'Sua hipoteca está paga", disse o pastor Richard Dent à emissora de notícias.

Esse telefonema surpreedente veio em janeiro, notificando Dent que a hipoteca da igreja, no valor US$ 4 milhões já era coisa do passado, tendo sido paga na íntegra por um indivíduo anônimo.

"Isso é uma bênção", disse ele. "É inesperado, mas não podemos deixar de dar o crédito disso ao Senhor Deus. Isso não poderia ter sido feito sem Ele".

Dent disse que muitas pessoas podem não saber quanto dinheiro é necessário para manter e administrar uma igreja, incluindo coisas como luzes, ar-condicionado e calor, todas as quais devem ser pagas. Mas agora mais uma preocupação está fora de questão para a igreja.

Dent disse que após receber e confirmar a notícia da grande doação, o documento da hipoteca foi queimado diante de todos e a igreja celebrou a ocasião como um sinal de que a congregação pode permanecer bem preservada por muitos anos.

"Na comunidade negra, a igreja é a única coisa que sempre tivemos para chamar de nossa", disse Dent. "Quando não podíamos ir ao Centro Cívico ou à Liga da União, sempre tínhamos a igreja. É aqui onde os nossos filhos aprendem a se desenvolver, a falar diante do público".

"Somos distintos porque temos o privilégio de estar na comunidade há muito tempo, e estamos muito, muito orgulhosos do que fazemos", acrescentou.

A igreja planeja usar o dinheiro extra que agora terá para investir em outras áreas, como a compra de vans para ajudar os membros da igreja a irem a consultas médicas.

A Primeira Igreja Batista Africana também assegurou que irá retribuir esse grande ato de bondade, ajudando a muitas outras pessoas.

Na Contra mão das pesquisas, número de muçulmanos que se convertem a Cristo só aumenta

Atualmente, o islamismo é a segunda maior religião do mundo depois do cristianismo, mas, segundo os novos relatórios do PRC (Pew Research Center), um Banco de Pesquisas sobre as questões, atitudes e tendências globais, até 2070, os muçulmanos terão superado os cristãos em número, se as tendências demográficas continuarem. O motivo para isto é que os muçulmanos têm mais filhos do que os outros sete grupos religiosos analisados no estudo. Em todo o mundo, as mulheres muçulmanas têm uma média de 3,1 crianças em comparação com 2,3 para todos os outros grupos combinados.
Imagem redimensionadaEmbora o islã seja a principal religião em muitos países do Oriente Médio e Norte da África, o relatório diz que a maioria dos muçulmanos vive na região da Ásia Pacífico, em especial na Indonésia. Acredita-se que, em 2050 a Índia terá mais muçulmanos do que qualquer outro país, cerca de 300 milhões, embora o hinduísmo continue sendo a maior religião dessa nação. Em setembro de 2015, Pravin Togadia, então presidente do WHC (World Hindu Council – Conselho Hindu Mundial), afirmou que os hindus corriam risco de extinção e que pediram para incluir na legislação uma punição aos muçulmanos que tivessem mais que dois filhos.

De acordo com os dados do censo indiano de 2011, os muçulmanos registaram um crescimento de 0,8% entre 2001 e 2011 e os hindus diminuíram em 0,7%. A população muçulmana do Ocidente também está crescendo bastante. O PRC indicou em suas pesquisas que, 10% dos europeus são muçulmanos e 1 de cada 50 americanos, será muçulmano em 2050. O relatório destacou ainda que, na América, pouco se sabe sobre a religião islâmica e que a opinião favorável sobre o islã tem diminuído desde 2005.

Já o cristianismo, segundo as estatísticas, é mais suscetível a perder fiéis para outras crenças ou, então, vê-los evitando contato com outras religiões. Estima-se que cerca de 40 milhões de pessoas irão aderir ao cristianismo até 2050, enquanto 106 milhões devem deixar a fé. A pesquisa não diz exatamente em quais regiões do mundo isto pode acontecer, mas, segundo um dos correspondentes internacionais da Portas Abertas, Matthew*, o número de muçulmanos que se convertem ao cristianismo também é cada vez maior. O que ocorre é que a mídia não divulga certos fatos. “Deus tem se revelado aos muçulmanos pessoalmente, em nossos dias, como fez nos tempos bíblicos. As pessoas têm sonhos e visões. Devemos ajudar nossos irmãos e orar por eles. A oração pode mudar muitas situações”, conclui o correspondente.

Em vídeo, Thalles Roberto pede perdão 2 anos após afirmar que era um cantor "acima da média"

Imagem redimensionada

Em uma transmissão ao vivo no Facebook, nesta quarta-feira, 22 de março, aparentemente em um quarto de hotel, o cantor Thalles Roberto decidiu se retratar publicamente sobre a polêmica que acabou sendo responsável pela pausa em seu ministério no Brasil.

Depois de cantar algumas de suas músicas, o cantor falou que decidiu que estava na hora de pedir perdão pelo que fez, se referindo as polêmicas de 2015, quando afirmou ser melhor que todos os cantores gospel, e disse ser acima da média.

Na época, vários vídeos foram postados no Youtube mostrando as declarações do cantor, e uma delas, que inclui o comentário do pastor e produtor musical Wesley Ros, pode ser assistido aqui

Thalles contou que pediu perdão pessoalmente a alguns cantores gospel e citou André Valadão, Bruna Karla e Anderson Freire, e disse reconhecer que foi imaturo por ter falado o que classificou como "bobagens".

O cantor também deixou claro que está voltando ao Brasil e que pretende retomar sua carreira na música gospel e explicou que o seu pedido de perdão não é uma desculpa para poder voltar. 

Ele disse que está fazendo muitas músicas novas sobre esse momento de dificuldade que passou, mas que não quer voltar apenas para fazer show e sim, retomar seu ministério.

Juiz é processado por iniciar suas audiências com orações, nos EUA

Um juiz do Texas está sendo processado na corte federal pela principal organização ateísta do país. A razão do processo é sua tradição de convidar pastores e capelães para fazerem uma oração antes de cada audiência.
Imagem redimensionadaA fundação ateísta "Freedom From Religion" (com sede em Wisconsin), que defende uma separação rigorosa entre Igreja e Estado, entrou com um processo na última terça-feira (21) contra O Juiz da Paz do Condado de Montgomery, Wayne Mack, argumentando que ele repetidamente violou a cláusula de estabelecimento da Primeira Emenda da Constituição dos EUA, ao fazer orações cristãs no início de cada sessão.

A ação judicial foi formalmente apresentada em nome de três demandantes que se sentiram diretamente afetados pela tradição de Mack e foi registrada no Tribunal Distrital dos EUA para o Distrito Sul do Texas em Houston.

De acordo com o processo, Mack prometeu instituir "valores religiosos dentro do escritório" durante sua campanha primária republicana de 2014 para sua posição como Juiz da Paz no Condado de Montgomery. Ele também disse que iria implementar um "programa de capelania".

"Pouco depois de assumir o cargo de Juiz da Paz em 1º de maio de 2014, Mack implementou a prática de abrir cada sessão de corte com uma oração, feita por um capelão convidado", explica o processo.

Em agosto de 2014, um dos queixosos apareceu no tribunal de Mack e citou juiz dizendo à multidão que se eles ficaram ofendidos com a oração, poderiam "ir para o corredor e seu caso não seria afetado".

"O capelão convidado então se levantou e leu da Bíblia Cristã por cinco a oito minutos, dirigindo a leitura para os presentes na sala do tribunal", alega a ação. "Após o sermão de cinco a oito minutos, o capelão convidou todos a inclinarem suas cabeças para uma oração". Durante a oração, o juiz Mack não inclinou a cabeça, mas observou aqueles na sala de audiências.

A ação ainda explica que o demandante sentiu que "o resultado de seu caso seria afetado pela forma como ela escolheu reagir".

"Ela não saiu da sala, mesmo depois que juiz liberou as pessoas presentes na audiência a fazê-lo por medo de que suas ações prejudicariam a decisão do juiz Mack contra ela", continua o texto do processo. "Ela se sentiu compelida pela autoridade governamental a demonstrar reverência à religião de outra pessoa".

O processo explica que Mack revisou sua prática de oração em maio de 2015 e agora o oficial de justiça colocou o momento de oração antes de sua entrada na sala de audiências para impedir que pudesse ver quem deixou a sala quando no momento.

Embora as pessoas ainda possam sair da sala durante a oração e leitura bíblia, as portas são magneticamente trancadas e só pode ser reabertas por alguém dentro da sala, depois que alguém bate na porta para conseguir entrar. A ação diz que Mack começou a bloquear o Porta da sala do tribunal, quase ao mesmo tempo que ele implementou as revisões para o programa de capelania.

"Todas as orações testemunhadas pelos três indivíduos na sala do juiz Mack foram orações sectárias, feitas por cristãos, em nome de Jesus", diz o processo. "O principal efeito da prática dA oração no tribunal do juiz Mack é promover a religião em geral, e o cristianismo especificamente, através da maquinaria do judiciário".

A Fundação ateísta inicialmente se queixou da iniciativa das orações de Mack em 2015. O Instituto de Liberdade da Primeira Guerra, baseado no Texas, uma firma de advocacia nacional dedicada à proteção da liberdade religiosa, representou Mack diante da Comissão Estadual do Texas sobre Conduta Judicial.

A comissão rejeitou a queixa contra Mack, mas seus membros escreveram uma carta ao juiz "[advertindo-o] fortemente contra a decisão de continuar com o Programa de Capelania do Tribunal de Justiça e [seu] atual serviço de oração".

Isso levou o vice-governador do Texas, Dan Patrick a chamar o procurador do Texas, Ken Paxton, em fevereiro de 2016, para emitir uma opinião sobre a legalidade da prática de oração de Mack.

"Um Juiz de Paz não viola a Cláusula de Estabelecimento ao abrir uma sessão na corte com a declaração 'Deus salve o Estado do Texas e este Tribunal Honroso", escreveu Paxton em agosto passado. "Um tribunal provavelmente conclui que a prática de um juiz de paz de abrir diariamente processos judiciais com uma oração feita por um capelão voluntário, como vocês descreve, é suficientemente semelhante aos fatos em Galloway de tal forma que a prática não viola a Cláusula de Estabelecimento. Provavelmente concluir que o programa de capelania voluntária que vocês descrevem, o que permite que os líderes religiosos forneçam aconselhamento a pessoas em dificuldades mediante solicitação, não viola a Cláusula de Estabelecimento".

Comentando a ação da organização ateísta, apresentado terça-feira, a presidente e CEO do 'First Liberty', Kelly Shackelford, chamou a prática de oração de Mack de "uma questão estabelecida".

"O programa do juiz Mack é uma excelente ideia e uma ótima maneira de servir a comunidade", disse Shackelford em comunicado compartilhado com The Christian Post. "Já foi confirmada tanto pela Comissão Estadual do Texas sobre Conduta Judicial quanto pelo Procurador Geral do Texas".

"A lei e a Constituição estão do lado do juiz Mack", prosseguiu Shackelford. "Este ataque sem sentido, feito por um grupo ateu é realmente triste".

Ministério Público vai apurar acordo entre Igreja Universal e governo do Rio para construção de templos em presídios

A Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva do Sistema Prisional e Direitos Humanos do Rio de Janeiro instaurou procedimento para apurar a validade do acordo feito entre o governo estadual e a Igreja Universal do Reino de Deus para a construção de templos nos presídios do estado. Segundo o Ministério Público do Rio, também será verificada a garantia do caráter ecumênico dos templos.
Imagem redimensionada"A Promotoria instaurou procedimento para apuração da validade do instrumento de cooperação porventura firmado diante da previsão do artigo 19, I da Constituição da República, bem como verificação das condições de garantia do caráter ecumênico e adequação dos espaços para a prática de cultos pelas entidades de assistência religiosa credenciadas no sistema prisional fluminense", diz a nota.

O governo do Rio autorizou a Igreja Universal a construir templos em todos os 43 presídios do estado. Na última segunda-feira foram inaugurados os dois primeiros, na Cadeia Pública Joaquim Ferreira e no Instituto Penal Plácido de Sá Carvalho, ambos no Complexo de Gericinó, em Bangu, Zona Oeste do Rio.

Estavam presentes no evento apenas pastores e os diretores das unidades. O governo afirmou que não foi gasto dinheiro público nas construções e garantiu que, mesmo sendo totalmente financiados pela Igreja Universal do Reino de Deus, os templos serão ecumênicos, "onde poderão acontecer cultos de outras igrejas evangélicas, católicas ou espiritualistas".

No entanto, a falta de participação de representantes de outras crenças na elaboração e na inaguração fez com que o ecumenismo do projeto fosse questionado por representantes de outras religiões. Para o babalorixá Ivanir dos Santos, a autorização é lamentável.

- Isso é uma violação do Estado laico. Você não pode construir um templo religioso dentro de um complexo de prédios públicos. Além disso, como é possível te um templo ecumênico sem conversar com outras religiões? Havia representantes de outras religiões? Isso não foi conversado. Não sou contra a assistência aos presos. Mas não pode haver privilégios dentro de um espaço público como é o caso. Como um grupo específico cria um templo ecumênico sem dialogar com ninguém? E como o Estado permite isso? Nunca vi o estado ceder terreno para uma religião de matriz africana abrir uma casa de candomblé, por exemplo. É lamentável - disse o babalorixá.

Para o cônego Manuel Manangão, da Arquidiocese do Rio, a administração dos espaços pode ser um problema se não for bem organizada.

- Não sabemos como foi feito esse acordo e o que ele inclui. Não participamos disso. Para mim, a maior dificuldade é como organizar o espaço desses lugares para o atendimento de todas as religiões. São quase oitenta entidades inscritas para levar a Palavra de Deus aos presos e se não for algo organizado de forma bem feita, cria um problema - disse.

De acordo com a Secretaria de Administração Pública (Seap), a autorização da utilização dos espaços ficará a cargo do diretor de cada unidade prisional. No dia 14 de fevereiro deste ano, o governador Luiz Fernando Pezão e o secretário estadual de Administração Penitenciária, Erir Ribeiro da Costa Filho, se reuniram com líderes da Igreja Universal para tratar da construção dos templos, que, segundo a Seap, "têm o objetivo de auxiliar no processo de ressocialização dos presos".

Procurada pelo "Extra" desde segunda-feira, a Igreja Universal do Reino de Deus não respondeu os e-mails ou atendeu as ligações. De acordo com o artigo 19 da Constituição Federal, é vedado à União e Estados "estabelecer cultos religiosos ou igrejas, subvencioná-los, embaraçar-lhes o funcionamento ou manter com eles ou seus representantes relações de dependência ou aliança, ressalvada, na forma da lei, a colaboração de interesse público".

Esses não são os primeiros templos da Igreja Universal do Reino de Deus em presídios brasileiros. Em março deste ano foi inaugurado um templo na Penitenciária Feminina de Sant'Ana, no Carandiru, Zona Norte da capital paulista.

Computadores serão implantados nos cérebros humanos até 2029, diz diretor do Google

Imagem redimensionada

O futurista Ray Kurzweil, diretor de engenharia do Google, revelou que até 2029 a inteligência artificial terá superado a inteligência humana, sendo estabelecida a chamada singularidade tecnológica.

Neste momento futuro, os computadores terão uma inteligência humana e poderão ser implantados no cérebro das pessoas, disse Kurzweil no festival de cultura e tecnologia South by Southwest, no Texas (EUA). “Os computadores serão colocados dentro de nossos cérebros e conectados à um sistema de nuvem, expandindo quem nós somos”, afirmou.

Segundo Kurzweil, esse nível de união entre seres humanos e tecnologia tornará as pessoas “mais engraçadas, mais atraentes e irá potencializar todas as coisas que valorizamos nos seres humanos”.

No entanto, especialistas de bioética e teólogos temem um futuro monopólio tecnológico e controle da humanidade. “Uma elite tecnológica pretende decidir como o resto do mundo deve pensar e agir, podendo resultar em abusos e deformações severas”, disse ao site The Christian Post a teóloga Fay Voshell, mestre pelo Seminário Teológico de Princeton.

Ela acredita que a singularidade tecnológica prevista por Kurzweil não apresenta apenas o nobre objetivo de satisfazer necessidades físicas ou melhorar as qualidades das pessoas, mas envolve a criação de uma única consciência mundial.

“Os seres humanos serão como máquinas programadas, adeptos a um estado universal e homogêneo”, disse Voshell. “Este transhumanismo irá resultar numa eliminação total da identidade humana, dadas por Deus de forma única”.

O médico Dennis Sullivan, diretor do Centro de Bioética da Universidade de Cedarville, acredita que a previsão de Kurzweil ultrapassa os princípios éticos e bíblicos. “Teologicamente, isso é como uma bofetada na face de Deus, que depois de criar o homem viu que ‘isto era muito bom’. É como se eles estivessem dizendo: ‘Não é tão bom assim, podemos fazer melhor’”.

Questionado se essa filosofia poderia ser classificada como parte do sistema do anticristo, Sullivan concorda. Assim também enxerga Patrick T. Smith, professor de teologia filosófica e ética no Seminário Teológico Gordon Conwell.

“Mesmo que a tecnologia pudesse entregar a todos os corpos humanos metade das habilidades do corpo glorificado por Jesus Cristo — algo que eu não duvido — ela não poderá libertar as pessoas de sua preocupação pecaminosa com o ego”, ele avalia.

Segundo Smith, a preocupação por um desempenho humano perfeito “sempre será a maior fonte de infelicidade das pessoas”.

Como saber se a carne comprada ‘precisa’ ser trocada; saiba mais

Advogado do Idec diz que que o consumidor não conseguirá efetuar a troca de produto enquanto as empresas não abrirem o recall
Advogado do Idec diz que que o consumidor não conseguirá efetuar a troca de produto enquanto as empresas não abrirem o recall
A Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), órgão vinculado ao Ministério da Justiça, determinou o recall de produtos fabricados por quatro unidades de frigoríficos: duas da Peccin – uma de Jaraguá do Sul (SC) e outra de Curitiba (PR), uma da Souza Ramos e outra da Transmeat. Todos os frigoríficos fazem parte dos 21 investigados pela Operação Carne Fraca, da Polícia Federal, que apura um esquema de corrupção envolvendo fiscais e frigoríficos.
Diferentemente de outros recalls, a Senacon não informou os lotes de produtos que devem ser recolhidos pelas empresas, apenas o número do selo SIF (Serviço de Inspeção Federal) de cada uma: 825 (Peccin, de Jaraguá do Sul), 2155 (Peccin, de Curitiba), 4040 (Souza Ramos) e 4644 (Transmeat).
Segundo a Senacon, todos os produtos fabricados por essas unidades devem ser recolhidos. “A determinação de recall vale para todos os produtos provenientes dos estabelecimentos”, informa a secretaria.
Isso significa que o consumidor que tiver em casa um produto com um dos SIFs informados tem o direito de exigir a troca ou ressarcimento ao estabelecimento comercial que efetuou a venda.
Sobre o número dos lotes, a Senacon diz que “ainda não se sabe quais são os lotes afetados, já que essa é uma informação de responsabilidade das empresas no momento do início do recall”.
Em carta encaminhada ao Ministério da Justiça, o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor pede que o consumidor seja informado sobre descrição das marcas, número dos lotes, locais da apreensão e outros dados que identifiquem as carnes que tenham sido adulteradas.
Na prática
O advogado Flavio Siqueira, do Idec, diz que o consumidor não conseguirá efetuar a troca de produto enquanto as empresas não abrirem o recall. “Não adianta ir agora.”
A Senacon deu um prazo de cinco dias para as empresas abrirem o recall. O consumidor não precisa ter a nota fiscal de aquisição do produto para ser reembolsado.
“O consumidor deve devolver o produto para receber o devido reembolso, independentemente de possuir Nota Fiscal”, diz a secretaria.
Mas o representante da Transmeat e Souza Ramos disse que recorreu da decisão. Ele questiona o fato de o recall envolver todos os produtos. “Precisa informar o número dos lotes”.
Como analisar a qualidade da carne
O Idec recomenda que o consumidor evite a compra de alimentos ultraprocessados.
“A partir da compra de carnes frescas, o consumidor é capaz de identificar se o produto está adequado para o consumo ou não, considerando as seguintes características: coloração avermelhada, textura não pegajosa e lisa, e a ausência de mau-cheiro”, informa o instituto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário